Vol 7 Num 3




A fauna de peixes na bacia do Rio Peruípe, extremo Sul da Bahia

Luisa Maria Sarmento-Soares

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Laboratório de Ecologia de Peixes- sala 225, Depto. Ecologia, Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes- Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ - Av. São Francisco Xavier, 524- Maracanã, C.E.P. 20550-013, Rio de Janeiro- RJ
email: biobahia@nossacasa.net

Rosana Mazzoni

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Laboratório de Ecologia de Peixes- sala 225, Depto. Ecologia, Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes- Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ - Av. São Francisco Xavier, 524- Maracanã, C.E.P. 20550-013, Rio de Janeiro- RJ
email: mazzoni@uerj.br

Ronaldo Fernando Martins-Pinheiro

Projeto BIOBAHIA
Projeto BIOBAHIA - Alto do Rio do peixe pequeno, quadra 2, lote 14, Cumuruxatiba, C.E.P. 45983-000 Prado, BA, Brasil
email: pinheiro.martins@gmail.com

palavras-chave
ictiofauna, riachos, tabuleiros costeiros, nordeste, Brasil

publicado em: 23/09/2007





Resumo
A riqueza hidrológica no Extremo Sul da Bahia é contrastante em relação à ainda pouco conhecida fauna de peixes. Impressiona a presença de diversas espécies ainda não descritas. O presente estudo é parte de uma série que pretende avaliar os sistemas hídricos do Extremo Sul da Bahia do ponto de vista da ictiofauna nas diversas bacias. Aqui são investigados os peixes da bacia do Rio Peruípe, um sistema ímpar de drenagem fluvial, com um amplo delta. Foram averiguados onze pontos georreferenciados em rios e riachos daquele sistema de drenagem. O uso de metodologia para coleta de dados ambientais e de peixes possibilitou descrever cada ambiente coletado bem como documentar a composição taxonômica da ictiofauna. São fornecidas ilustrações das localidades amostrais e de espécimes representativos de algumas das espécies coletadas, exibindo sua coloração em vida. No total foram verificadas 26 espécies pertencentes a 12 famílias em 6 ordens. Das espécies coletadas Trichomycterus  pradensis  Sarmento-Soares et al. (2005) e Microglanis  pataxo  Sarmento-Soares et al. (2006) foram recentemente descritas como novas.. Aproximadamente 48,7% do total de peixes na bacia pertencem a ordem Siluriformes, 38,5% a Characiformes, 34,6% a Perciformes, 11,5% a Cyprinodontiformes, 7,7% a Gymnotiformes, 3,8% a Synbranchiformes e 3,8% a Pleuronectiformes. As espécies mais freqüentes em termos de constância de ocorrência foram Geophagus  brasiliensis  (presente em 82% das coletas), Hoplias  malabaricus  (64%), Astyanax  cf. rivularis  (55%), Poecilia  vivipara  (55%), Astyanax  cf. lacustris  (45%) e Hyphessobrycon  bifasciatus  (45%). A partir das informações de captura dos peixes em cada ponto amostrado da bacia determinou-se a riqueza, a diversidade, a equitabilidade e a dominância. As condições ambientais nos trechos da bacia são apontadas como influências na ocorrência e distribuição das espécies. A predominância de peixes de pequeno porte, não ultrapassando 150 mm CP, é associada a um acentuado endemismo regional.

como citar este artigo
Sarmento-Soares, L.M.; Mazzoni, R. and Martins-Pinheiro, R.F. A fauna de peixes na bacia do Rio Peruípe, extremo Sul da Bahia. Biota Neotrop. Sep/Dez 2007 vol. 7, no. 3 http://www.biotaneotropica.org.br/v7n3/pt/abstract?article+bn02107032007 ISSN 1676-0603.

Espécies citadas
check for this species in other resources Astyanax  lacustris 
check for this species in other resources Astyanax  rivularis 
check for this species in other resources Geophagus  brasiliensis 
check for this species in other resources Hoplias  malabaricus 
check for this species in other resources Hyphessobrycon  bifasciatus 
check for this species in other resources Microglanis  pataxo 
check for this species in other resources Poecilia  vivipara 
check for this species in other resources Trichomycterus  pradensis 



Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq
© BIOTA NEOTROPICA, 2007