Vol 6 Num 2




Aspectos da composição e diversidade do componente arbóreo das florestas da Reserva Florestal do Morro Grande, Cotia, SP

Eduardo Luís Martins Catharino

Instituto de Botânica de São Paulo
Caixa Postal 4005, São Paulo, SP, C.E.P. 01061-970
email: mcatarin@uol.com.br

Luís Carlos Bernacci

Instituto Agronômico de Campinas
Geraldo Antonio Daher Correa Franco

Instituto Florestal de São Paulo
Giselda Durigan

Instituto Florestal de São Paulo
Jean Paul Metzger

Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo

palavras-chave
Floresta Ombrófila Densa Montana, composição, riqueza e diversidade florística, florestas secundárias e maduras, Planalto Atlântico Paulista

publicado em: 01/05/2006





Resumo
Este trabalho procurou caracterizar a composição florística arbórea e comparar florestas secundárias e maduras da Reserva Florestal do Morro Grande (RFMG), em Cotia, região metropolitana de São Paulo. Discute-se, também, a classificação utilizada para denominar esta cobertura florestal e a importância da RFMG para conservação. Utilizou-se o método de pontos quadrantes, amostrando-se 2400 árvores em seis áreas, três localizadas em regiões com florestas secundárias e três com predomínio de florestas mais conservadas ou maduras. Em cada local, levantaram-se 400 indivíduos arbóreos em 100 pontos-quadrantes, divididos em blocos de 25 pontos distantes 200 m uns dos outros. Os dados por áreas e blocos foram analisados através de agrupamento e ordenamento (UPGMA e DCA). Das 260 espécies arbóreas encontradas, apenas 12 foram amostradas nas seis áreas. A riqueza encontrada foi surpreendentemente alta quando comparada a outros levantamentos feitos na região. Os índices de diversidade de Shannon (H’) situam-se entre os maiores para as florestas paulistas: 4,75 nats/indivíduo para a amostragem total; 4,25 para as três áreas secundárias; e 4,54 para as três áreas maduras. A amostra estratificada permitiu verificar a variação interna da floresta, revelando diferenças em riqueza e abundância entre os seis locais e os blocos de amostragem, em particular diferenciando as áreas secundárias e maduras. A DCA mostrou-se útil na detecção de espécies características dentro do gradiente sucessional. A floresta em geral pode ser classificada como “floresta ombrófila densa montana”, com presença de espécies de florestas mistas, estacionais semideciduais e cerradão, o que parece confirmar a existência, no local, de um antigo “refúgio alto-montano” sob condições de climas mais secos no passado, assim como o caráter ecotonal das florestas da região. A riqueza e mistura de elementos de várias floras denotam a importância da conservação da Reserva Florestal do Morro Grande.

como citar este artigo
Catharino, E.L.M., Bernacci, L.C., Franco, G.A.D.C., Durigan, G. and Metzger, J.P. - Aspectos da composição e diversidade do componente arbóreo das florestas da Reserva Florestal do Morro Grande, Cotia, SP. Biota Neotrop.  May/Aug 2006 vol. 6 no. 2, http://www.biotaneotropica.org.br/v6n2/pt/abstract?article+bn00306022006. ISSN 1676-0603.

Espécies citadas



Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq
© BIOTA NEOTROPICA, 2006