Vol 3 Num 2




Consequências das mudanças climáticas globais na distribuição geográfica de espécies arbóreas de Cerrado

Marinez Ferreira de Siqueira

Centro de Referência em Informação Ambiental - CRIA
Av. Romeu Tórtima 388. Barão Geraldo. CEP: 13084-520. Campinas, SP, Brasil
email: marinez@cria.org.br

Andrew Townsend Peterson

Natural History Museum and Biodiversity Research Center. University of Kansas
Lawrence, Kansas 66045 USA
email: town@ku.edu

palavras-chave
modelagem de nicho ecológico, espécies arbóreas de Cerrado; mudanças climáticas

publicado em: 21/07/2003





Resumo
Este estudo aplicou técnicas oriundas da emergente técnica de modelagem de nicho ecológico para desenvolver um primeiro passo no entendimento dos efeitos de mudança climática na distribuição de espécies arbóreas do bioma Cerrado, através do cruzamento de informação entre os pontos de ocorrência com coberturas ambientais resumindo as dimensões ecológicas para as espécies analisadas. Os dados de distribuição foram compostos por 15.657 registros para 162 espécies arbóreas registradas para o Cerrado. Uma importante limitação deste estudo é que, devido ao processo de modelagem empregado, o conjunto de dados utilizado apenas considerou as espécies registradas para 30 ou mais localidades diferentes, ou seja, este estudo é limitado para aquelas espécies com distribuição geográfica mais ampla, não levando em conta as espécies de distribuição mais restrita ou de ocorrências únicas. Os modelos de circulação usados foram provenientes do HadCM2, incluindo vários cenários diferentes. Foi utilizado um cenário mais conservativo e outro menos conservativo em relação ao modo como o clima poderia se alterar nos próximos 50 anos usando cenários Hadley HHGSDX50 e HHGGAX50 respectivamente. O cenário HHGSDX50 baseia-se em um aumento de 0,5%/ano de CO2 e o cenário HHGGAX50 baseia-se em um aumento de 1%/ano de CO2 na atmosfera. O resultado desta modelagem mostra uma redução de área de Cerrado de aproximadamente 25% (utilizando-se o cenário mais conservativo) e de 90% (utilizando-se o cenário menos conservativo) da área original utilizada (2.496.230 Km2). Todos os modelos utilizados na distribuição presente das espécies foram altamente significativos, baseados em um conjunto independente de dados de localidades para teste. Muitas espécies tiveram projeções de declínios em suas distribuições geográficas, e, para ambos cenários utilizados, foram previstas reduções maiores que 50% para todas as espécies analisadas. Os casos mais graves foram observados para 18 espécies (para o cenário HHGGAX50) e 56 (cenário HHGGAX50) que ficaram sem projeção futura de área habitável, e 91(HHGGAX50) e 123 (HHGSDX50) tiveram sua distribuição geográfica reduzida em mais de 90% da área original dessas espécies no bioma Cerrado. Apesar das limitações do método, estes resultados não deixam de ser preocupantes, principalmente pelo fato de hoje o bioma Cerrado contar apenas com cerca de 2,25% de sua área protegida por unidades de conservação, pois além de mostrar uma perda de área habitável para muitas espécies, também mostra um grande deslocamento de áreas habitáveis em direção ao sul e leste do país.



Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp
Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA
© BIOTA NEOTROPICA, 2003