Vol 10 Num 3




Composição florística e fitofisionomia de remanescentes disjuntos de Cerrado nos Campos Gerais, PR, Brasil – limite austral do bioma

Lia Maris Orth Ritter

Universidade de São Paulo
Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Departamento de Ciências Florestais. Av Padua Dias, 11. Agronomia, Piracicaba SP CEP 13418-900
email: lmritter@esalq.usp.br

Milton Cezar Ribeiro

Universidade de São Paulo
Departamento de Ecologia. Rua do Matão, Travessa 14, Cidade Universitária, SP 05508-900
Rosemeri Segecin Moro

Universidade Estadual de Ponta Grossa PR
Departamento de Biologia Geral. Av Carlos Cavalcanti, 4748, Uvaranas. 84030-000

palavras-chave
cerrado, Campos Gerais, fitogeografia

publicado em: 20/09/2010





Resumo
O cerrado possui seu limite austral de ocorrência nos Campos Gerais do Paraná onde, na forma de pequenos fragmentos disjuntos, tem grande afinidade com as formações savânicas de São Paulo e do Planalto Central do Brasil. Encontra-se, na sua maior parte, em propriedades particulares, sob forte pressão da agropecuária, tendo sido até então pouco estudado. Foram realizadas análises florísticas e fitofisionômicas de 30 remanescentes de cerrado em seis municípios, com determinação de um total de 1.782 táxons. Asteraceae foi a família com maior riqueza de espécies (256), seguida por Fabaceae (207), Poaceae (183), Myrtaceae (72) e Melastomataceae (54). Encontrou-se um gradiente latitudinal e geomorfológico na distribuição das fisionomias: cerrado stricto  sensu  (50%) e cerradão (13%) distribuem-se nos planaltos areníticos ao norte da região; enquanto cerrado rupestre (17%) e campo sujo com fácies  de cerrado (20%) estão mais representados nas porções meridionais, nos relevos escarpados dos vales dos rios. Os remanescentes mostraram similaridade florística com áreas core  do Bioma e podem ser consideradas áreas marginais da amplitude geográfica de muitos táxons, compartilhando espécies típicas, características da Província Sulina. Portanto, estas áreas campestres seriam melhor classificadas como savanas do que como estepes. A fitocenose mais austral em Ponta Grossa, com alta riqueza de espécies, encontra-se isolada biogeograficamente dos demais elementos do Bioma, constituindo um possível centro de endemismo.

como citar este artigo
Ritter, L. M. O.; Ribeiro, M. C. e Moro, R. S. Composição florística e fitofisionomia de remanescentes disjuntos de Cerrado nos Campos Gerais, PR, Brasil – limite austral do bioma. Biota Neotrop.  Jul/Sep 2010 vol. 10, no. 3 http://www.biotaneotropica.org.br/v10n3/pt/abstract?article+bn04010032010 ISSN 1676-0603.



Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq
© BIOTA NEOTROPICA, 2010